• Início
  • Resenhas
  • Críticas
  • Autores Parceiros
  • Vídeos
  • Contato
  • Folia Literária




    Carnaval é tempo de festa e de... sorteio! O Natal Literário foi um sucesso tão grande que resolvemos repetir a dose, agora com um sorteio de Carnaval. A gente faz com muito carinho e dedicação para que vocês, leitores queridos, tenham sempre oportunidade de concorrer a kits maravilhosos! Acho que sorteios comemorativos vão virar uma tradição nossa e quem sabe não vem também um sorteio de Páscoa por aí...

    Editora Arqueiro: Lançamentos de Fevereiro

    Olá, pessoal. Tudo bem?
    Que saudade eu tava de conversar com vocês, mas eu estava tão sem ideia do que postar no blog que acabei o abandonado por um tempo, mas agora estou com alguns projetos bem legais e espero que em breve os possa apresentar para vocês. Agora, sem mais delongas, vamos ao post de hoje.


    As criaturas da noite estão caçando a elite de Gotham. Bruce Wayne é o seu novo alvo.
    Bruce Wayne está prestes a completar 18 anos e herdar a fortuna de sua família, além do controle das indústrias Wayne. No entanto, no dia do seu aniversário, ele faz uma escolha impulsiva e é condenado a prestar serviço comunitário no Asilo Arkham, uma mescla de prisão e hospital psiquiátrico onde estão detidos os criminosos mais desequilibrados da cidade.
    Lá ele conhece Madeleine, integrante das Criaturas da Noite, um grupo radical que deseja acabar com a elite de Gotham. Até então, a moça se recusava a confessar seus crimes ou informar à polícia os futuros ataques que planejavam, mas ela resolve se abrir para Bruce Wayne, dando início a um perigoso jogo de sedução e inteligência.
    Será que o jovem Wayne vai conseguir convencê-la a revelar todos os seus segredos ou ela está apenas manipulando-o para arruinar Gotham? Enquanto o golpe final das Criaturas da Noite se aproxima, Bruce percebe que não é tão diferente de Madeleine. E, mesmo longe de se tornar o Cavaleiro das Trevas, precisará provar que está preparado para deter uma das maiores ameaças que Gotham já presenciou.

    Resenha: A Pérola Que Rompeu a Concha

    Filhas de um viciado em ópio, Rahima e suas irmãs raramente saem de casa ou vão à escola em meio ao governo opressor do Talibã. Sua única esperança é o antigo costume afegão do bacha posh, que permite à jovem Rahima vestir-se e ser tratada como um garoto até chegar à puberdade, ao período de se casar. Como menino, ela poderá frequentar a escola, ir ao mercado, correr pelas ruas e até sustentar a casa, experimentando um tipo de liberdade antes inimaginável e que vai transformá-la para sempre. Contudo, Rahima não é a primeira mulher da família a adotar esse costume tão singular. Um século antes, sua trisavó Shekiba, que ficou órfã devido a uma epidemia de cólera, salvou-se e construiu uma nova vida de maneira semelhante. A mudança deu início a uma jornada que a levou de uma existência de privações em uma vila rural à opulência do palácio do rei, na efervescente metrópole de Cabul. A pérola que rompeu a concha entrelaça as histórias dessas duas mulheres extraordinárias que, apesar de separadas pelo tempo e pela distância, compartilham a coragem e vão em busca dos mesmos sonhos. Uma comovente narrativa sobre impotência, destino e a busca pela liberdade de controlar os próprios caminhos.

    Eu sempre gostei de ler livros sobre diferentes culturas, conhecer realidades que não eram as minhas e saber o que as outras pessoas fazem ou passam pelas outras partes do mundo, mas nada podia me preparar para as historias que eu encontrei nesse livro. 

    Em A Pérola Que Rompeu a Concha conhecemos a historia de duas mulheres separadas por gerações, uma vive durante o regime opressor do Talibã e a outra em meio a guerra de independência do Afeganistão, mas com historia muito similares. Rahima é filha do meio de cinco irmãs, sua familia sempre culpou sua mãe por não ter dado herdeiros (homens) e sempre dificultaram a vida de todos.

    "Às vezes, porém, é preciso desafias as convenções, suponho. Às vezes, é preciso se arriscar quando se deseja muito alguma coisa."

    Resenha: Um Beijo à Meia-Noite

    Kate Daltry é uma jovem de 23 anos que não costuma frequentar os salões da alta sociedade. Desde a morte do pai, sete anos antes, ela se vê praticamente presa à propriedade da família, atendendo aos caprichos da madrasta, Mariana. Por isso, quando a detestável mulher a obriga a comparecer a um baile, Kate fica revoltada, mas acaba obedecendo. Lá, conhece o sedutor Gabriel, um príncipe irresistível. E irritante. A atração entre eles é imediata e fulminante, mas ambos sabem que um relacionamento é impossível. Afinal, Gabriel já está prometido a outra mulher – uma princesa! – e precisa com urgência do dote milionário para sustentar o castelo. Ele deveria se empenhar em cortejar sua futura esposa, não Kate, a inteligente e intempestiva mocinha que se recusa a bajulá-lo o tempo todo. No entanto, Gabriel não consegue disfarçar o enorme desejo que sente por ela. Determinado a tê-la para si, o príncipe precisará decidir, de uma vez por todas, quem reinará em seu castelo. Um beijo à meia-noite é um conto de fadas inspirado na história de Cinderela. Com um estilo que combina graça, encanto e sedução, Eloisa James escreve uma narrativa envolvente, com direito a fada madrinha e sapatinho de cristal.

    Eu nunca fui muito chegada a romances de época e já tinha ouvido algumas criticas negativas a respeito desse livro, então fui com expectativas bem baixas e imaginem o tamanho da minha surpresa quando encontrei um enredo e personagens que me encantaram do inicio ao fim.

    Em Um Beijo à Meia- Noite conhecemos Kate, uma garota que perdeu a mãe muito jovem e logo depois seu pai se casou de novo e quando o mesmo morreu, sua madrasta a passou a tratar como emprega e a deixou responsável pela manutenção da propriedade onde viviam. Contudo, ela sempre teve uma relação muito boa com sua meia-irmã, Victoria e quando esta acaba sofrendo um pequeno incidente dias antes de ir a um baile muito importante com seu noivo, Kate concorda em tomar seu lugar e fingir para que é Victoria para a mesma conseguir aprovação para se casar. Lá conhece Gabriel, um príncipe que atrai olhares por onde passa, incluindo o de Kate, mas tem um problema, ele esta noivo e precisa do dote da princesa para salvar o castelo onde vive, mas se sente profundamente atraído por Kate, a garota orfã, agora ele vai ter que tomar um decisão que pode mudar a vida de todos.

    Resenha: O Coração da Esfinge


    Lily Young achou que viajar pelo mundo com um príncipe egípcio tinha sido sua maior aventura. Mas a grande jornada de sua vida ainda está para começar.
    Depois que Amon e Lily se separaram de maneira trágica, ele se transportou para o mundo dos mortos – aquilo que os mortais chamam de inferno. Atormentado pela perda de seu grande e único amor, ele prefere viver em agonia a recorrer à energia vital dela mais uma vez.
    Arrasada, Lily vai se refugiar na fazenda da avó. Mesmo em outra dimensão, ela ainda consegue sentir a dor de Amon, e nunca deixa de sonhar com o sofrimento infinito de seu amado. Isso porque, antes de partir, Amon deu uma coisa muito especial a ela: um amuleto que os conecta, mesmo em mundos opostos.
    Com a ajuda do deus da mumificação, Lily vai descobrir que deve usar esse objeto para libertar o príncipe egípcio e salvar seus reinos da escuridão e do caos. Resta saber se ela estará pronta para fazer o que for preciso.
    Nesta sequência de O Despertar do Príncipe, o lado mais sombrio e secreto da mitologia egípcia é explorado com um romance apaixonante, cenas de tirar o fôlego e reviravoltas assombrosas.

    Eu tive uma experiencia muito positiva com O Despertar do Príncipe, que é o primeiro livro da trilogia Deuses do Egito e estava ansiosa para poder conferir a continuação, apesar de alguns comentários negativos em relação ao comportamento da protagonista. A resenha pode conter spoilers do livro anterior.

    O Coração da Esfinge começa um pouco depois do fim de O Despertar do Príncipe, quando Lily volta pra casa e tenta seguir a vida mesmo depois de tudo que passou, mas ela começa a se encontrar com a Amon nos sonhos e descobre que ele abdicou de seu posto como protetor do Cosmo e saltou para o além, um lugar onde monstros e almas perdidas vagam sem rumo. Com isso Anubis aparece em seu quarto e pede sua ajuda, pois se Amon não voltar para seu posto, tudo vai estar perdido. Mas antes dela entrar no além ela vai ter que passar por uma série de enigmas e desafios para se tornar uma esfinge, uma criatura meio leoa e meio mulher, coisa que nenhuma mortal já conseguiu.

    “Ver o nascer do sol é abraçar a vida. O por do sol é onde você vai encontrar a morte.”