Entrevista: Renan Merlin




1- Se apresente, fale um pouco sobre você.

Meu nome é Renan Merlin, tenho 23 anos e sou formado em Psicologia. Atualmente trabalho como Psicólogo Hospital e estou concluindo minha especialização em Arteterapia. Divido apartamento com a minha irmã em Bauru (interior de SP), onde moro há 5 anos. Tenho 3 irmãos: uma de 18, um de 10 e outra de 5 anos. Meus pais se separaram quando eu tinha 3 anos e eu vive com meus avós no sítio até os 14 anos. Meu filme preferido é Meninas Malvadas, minha cantora preferida é Britney Spears e minha série preferida é The Originals.

2- Nos conte sobre a historia de Não Tão Primos. Como ela surgiu? 

 Não Tão Primos conta a história de Bernardo, um adolescente um tanto inseguro que tem 15 anos. Ele é agredido no mesmo dia em que dá o seu primeiro beijo. O que mais magoa Bernardo é que Matheus, o caro que ele beijou, viu tudo e não o ajudou. A história dos dois termina, mas, vamos dizer, sem colocar os pontos finais. O que Bernardo não esperava era a chegada de Gustavo, um primo de segundo grau que estava se mudando para a sua casa. A história em si se trata do triângulo amoroso e da superação dos traumas de Bernardo, além de ter alguns subtemas como relacionamento familiar, amizade, homofobia, entre outros. A história surgiu em um feriado prolongado em que eu estava com dengue e foi inspirada pelo filme Se Eu Ficar, pelo livro Uma Canção Para a Libélula e pelas músicas Happy da Marina and The Diamonds e Beijo Molhado da Rouge. Foi a partir desse conjunto de influências, que era o que eu estava assistindo, lendo e ouvindo no momento, mais um edital de concurso de conto do Scribe que surgiu Não Tão Primos – que inicialmente era apenas u conto.

3- Tem mais algum livro publicado? Algum projeto em andamento?

Não tenho mais livros publicados, Não Tão Primos foi o meu primeiro. Estou com mais três projetos em andamento, ainda não sei te dizer ao certo qual será a próxima publicação, mas acredito que seja Diário de Patt, uma história de drama humorística – será que posso chama assim? Não tenho certeza se esse gênero existe, risos.

4- Você foi uma criança que gostava de ler? Teve incentivo de alguém? 

Eu gostava de ler quando era criança, mas não tive muito incentivo. Sempre estava pegando livros sobre bruxas e contos de fadas na biblioteca da escola. Já na adolescência não li muito, só depois dos 16 anos quando ganhei Comer Rezar Amar que me reapaixonei pela leitura – esse é o meu livro internacional preferido.

5- O que te inspira a escrever?

Essa é uma pergunta difícil, pois depende muito do livro que estou escrevendo. Geralmente tenho as ondas de inspiração é quando estou triste e preciso desabafar. A partir disso e com a ajuda de uma boa playlist que minhas histórias acabam nascendo. É uma forma de terapia para mim. Tive um incentivo maior quando descobri que essas histórias, além de me ajudar, estavam ajudando outras pessoas que estavam passando pela mesma fase que eu, me sinto tão honrado por isso.


6-  Tem algum autor(a) e/ou livro favorito? 

Minha autora preferida é a Juliana Daglio e meu livro preferido é Uma Canção Para a Libélula. Foi meu primeiro livro nacional contemporâneo e que me abriu as portas para o mundo da escrita. Se hoje escrevi um livro e o publiquei, foi tudo da Juliana, risos.

7- O que gosta de fazer em seu tempo livre?

Eu gosto de ver séries. É a única coisa que faço quando tenho um tempo livre e estou sozinho. Atualmente assisto The Vampire Diaries, The Originals, Pretty Little Liars, Game Of Thrones, Salem e Younger.


8- Deixe um recado para os seus leitores:


Obrigado a todos que leram o meu livro e estão indo me ver nas sessões de autógrafos. Eu estou amando poder passar um tempo com vocês e conhecê-los pessoalmente, amo vocês!




Tudo parece sem cor. As férias começaram com um romance e acabaram como um filme de terror. Agora as aulas vão recomeçar e Bernardo terá que enfrentar os meninos que o agrediram e lidar com a nova emoção que insiste em seguir os seus passos: o medo. Apesar de tudo, Bernardo não está sozinho, Gustavo chegou para recolorir o seu mundo. Gustavo e Bernardo são meio que primos, ou melhor, Não Tão Primos.
Os dias podem se tornar cinza por algum tempo, mas jamais perderão o calor, pois a famosa cidade do verão eterno não deixa que os corações fiquem frios por muito tempo. Prepare-se para aquecer e colorir o seu mundo com Bernardo e seus amigos. Seja bem-vindo a São Pietro!





Vocês podem adquirir o livro através do site da Martins Fontes e também da página da Editora Coerência, é só mandar uma mensagem inbox e assim que a compra for confirmada, eles irão enviar o livro o mais rápido possível.

E quem é de São Paulo, não pode perder a oportunidade de conhecer o Renan e autografar o seu exemplar, ele vai estar na bienal no dia 3 de setembro das 11h as 12h30! 

Quem estiver curioso para saber o que eu achei do livro, é só conferir a resenha dele. E não deixem de conferir outras opiniões no Skoob.

17 comentários:

  1. Oi Giovana, tudo bem? Eu não conhecia o autor e nem sua obra, mas lhe desejo muito sucesso em sua trajetória. Adorei a entrevista, porque é ótimo saber um pouco mais sobre ele, seus planejamentos, inspirações e afins.
    Beijos, Fer

    ResponderExcluir
  2. Eu Giovana, eu não conhecia o autor e nem o livro e achei bacana entrevista. Ele parece ser simpático e achei interessante a autora preferida dele ser a Juliana Daglio e ter sido graças a ela que ele escreveu seu próprio livro.

    ResponderExcluir
  3. Mas esse menino é uma simpatia só heim??? A capa do livro dele me deixa mega curiosa pra conferir o conteúdo e lendo a entrevista e conhecendo um tiquinho dele, tenho quase certeza que vou apreciar a leitura.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Adorei a entrevista, não conhecia o autor e nem seu livro, mas o achei muito simpático e cativante. Muito sucesso para ele!
    Beijos.
    https://arsenaldeideiasblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  5. Olá Giovana,
    Que autor mais simpático, meu Deus!
    Achei muito legal a entrevista, com perguntas legais. Fiquei pensando o que seria um livro drama humorístico e fiquei curiosa em relação a isso. A obra parece ter sido bem construída e anotei a dica.
    Desejo muito sucesso ao autor.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  6. Que entrevista bacana. Não conhecia o autor e aprecio muito autores masculinos. Desejo muito sucesso e foi bem legal conhecer um pouco mais sobre ele e sua obra. Parabéns <3

    ResponderExcluir
  7. acho bacana livros que nascem com a música de fundo...confesso que não conhecia o autor e seu livro, mas com a entrevista é legal a gente descobrir esses talentos... desejo sucesso ao autor, ao seu livro e ao blog, que fez essa entrevista com tanto carinho :D
    Bjs ^^

    ResponderExcluir
  8. Oiee ^^
    Ainda não conhecia o autor, mas o livro de cara já me chamou a atenção. Não sou muuito fã de triângulos amorosos, mas achei a obra interessante pelo o que o Renan falou. "Uma canção para a Libélula" é um dos meus favoritos ♥ E eu adorei a capa do livro!
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oi Giovana, tudo bem?
    Adorei a entrevista com o Renan, o autor é super simpático e foi bem legal conhecer mais sobre ele e sobre como surgiu o livro Não Tão Primos.
    Que o autor tenha muito sucesso nesse primeiro livro e que outros livros venham em breve!

    Beijos :*
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
  10. Olá, eu adoro ler entrevistas com os Autores nacionais para que a gente possa conhecer tanto dele quanto do seu trabalho. É uma excelente forma de divulgar novos autores.
    Tenho algo em comum com ele Juliana Daglio sw tornou uma das minhas autoras favoritas também.
    Bj

    ResponderExcluir
  11. Gosto muito de ver autores que trabalham numa área que tem quase nada que lembre a literatura, mas está lá escrevendo! Adorei a salada mista que fez nascer a história e as referências na vida do autor, que são música e séries (quem nunca se referenciou com essas coisas???)

    http://deiumjeito.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oi, flor.

    Eu não conhecia o autor, mas gostei bastante da sua entrevista. Isso é legal para conhecermos os autores, saber novidades, além de mostrar o que o levou a escrever determinado livro. Lendo sua entrevista m deu vontade de fazer uma também. Desejo tudo de bom ao autor.

    Beijos,
    www.anebee.com.br

    ResponderExcluir
  13. Ele é muito meigo percebesse com suas doces palavras, que bom que o livro dele vem ajudando outras pessoas, desejo todo o secesso do mundo para que ele venha crescer mais e mais.

    ResponderExcluir
  14. Não conhecia o autor e a obra, mas já super me interessei em ler, adorei a trama, parece uma leitura bem leve e envolvente. E também a entrevista ajudou, pois ele é muito simpático.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  15. Olá, tudo bom?

    Adorei a entrevista! Não conhecia o Renan ou sua obra, mas fiquei encantada lendo essa postagem. Adoro livros que contêm debates sobre temas importantes, como esse que nos mostra a homofobia (não me lembro de nenhum livro que tenha lido que tratou desse tema dessa maneira). Adoro triângulos amorosos também, apesar de não perceber que era quando li a sinopse.

    Eu também adoro séries, mas não assisto as que ele comentou, então já anotei para pesquisar mais depois. Além disso, fico feliz em ver que a inspiração dele foi uma autora nacional, pois acredito que devemos incentivar mais a nossa literatura.

    Enfim, parabéns pela entrevista! E obrigada pela dica ;)

    Beijos.

    http://instantesmemoraveis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Oi Giovana,
    vi o livro do Renan em uma das ações de divulgação da editora coerência e confesso que não havia dado a devida atenção, amei saber mais da obra que acabou por me interessar, e curti ainda mais saber sobre o poço de carisma que se mostrou o autor. Além disso percebi algumas coisas em comum com ele, o que é legal, pois deixa ainda mais nítido que os autores também são gente como a gente.

    Abçs
    Nosso Mundo Literário

    ResponderExcluir
  17. Oi Giovana, eu não conhecia o autor ainda e nem a obra, e agora a entrevista me deixou bem curiosa, pois conheci um pouco de ambos e confesso que gostei. Amei a entrevista e espero um dia ler o livro do autor :D

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir