Belas Letras: Giselle Sauer



Você deve ter visto por aí as fotos lindas que o papai mais pop do Brasil, Marcos Piangers, posta para ilustrar as suas crônicas sobre paternidade. A responsável por alguns dos cliques é Giselle Sauer, fotógrafa que se destaca pela simplicidade dos momentos que registra. Para Giselle, a fotografia deve acompanhar não só o crescimento de uma criança, como também as situações cotidianas que fazem parte da história de uma família.
Conversamos com a fotógrafa que lança neste mês Brincar, clicar, amar, um compilado de dicas e instruções para as mamães de primeira viagem que vão querer recordar os momentos dos seus pequenos no futuro.




Belas-Letras: De onde veio a sua paixão pela fotografia?

Giselle Sauer: Meu avô gostava de fotografar e então temos muitos registros de infância. Na adolescência eu sempre carregava uma câmera comigo, fosse uma descartável ou qualquer outra, e assim não deixava de registrar as coisas ao meu redor. Mas isso só virou um hobby oficialmente aos 30 anos e, uma vez que a gente ama muito um hobby, acaba por querer tê-lo como profissão. E foi isso que aconteceu.

BL: Qual é a maior dificuldade em fotografar crianças?

Giselle: É muito complicado enumerar dificuldades, pois com o tempo eu fui aprendendo que tudo precisa ser no tempo deles. Sempre me identifiquei com crianças, fui professora durante alguns anos e isso foi um aprendizado enorme. Por vezes eu acho que o mais difícil são os pais e as suas expectativas, as crianças estão sempre prontas para a folia e eu só preciso estar pronta para registrar suas façanhas.


BL: Qual é a sua visão e opinião sobre a fotografia digital e o fato de os velhos álbuns de família estarem cada vez mais raros?

Giselle: Eu acho que a fotografia digital é uma revolução, levou o acesso a todas as camadas e facilitou muito que se registre os momentos mais importantes e divertidos. Ver a frequência com que as pessoas imprimem suas memórias diminuir é algo que me deixa extremamente triste, pois somos todos feitos de histórias e não há nada melhor do que folhear um álbum antigo ou resgatar as fotos perdidas em baú. Somos feitos daquilo que contam de nossos pais e dos pais de nossos pais e assim por diante. Quando a geração de hoje tiver seus filhos, teremos uma lacuna gigantesca na história impressa e estes arquivos talvez estejam perdidos em alguma mídia digital antiga.

BL: Como o livro contribuirá para o seu trabalho como fotógrafa?

Giselle: O livro é um compilado de tudo aquilo que explico e ensino aos pais quando os fotografo. Ele não só ajuda a mostrar o quanto um fotógrafo especializado é importante para auxiliar os pais a identificarem as fases que passam rápido, como também a importância de ter registrado todo o amor que existe numa família visto pelos olhos de alguém de fora.



Esse foi apenas um pedacinho da entrevista que a Belas Letras fez com a autora, para poder conferir o restante, é só visitar o blog deles.

Espero que tenham gostado.
Um grande abraço e até a próxima.

11 comentários:

  1. Oi Giovana, vou conferir a entrevista completa sim, gostei bastante do trabalho dela, além de ser admiradora do Marcos Piangers. Acho muito legal a editora tomar essa iniciativa.
    Beijos, Fer

    ResponderExcluir
  2. Olá, nossa que legal. Eu tenho visto as fotos sim e saber desse projeto da fotógrafa foi muito legal. Você colocou ótimos trechos da entrevista, depois vou dar uma olhadinha lá no blog da editora para ver tudo.

    ResponderExcluir
  3. Oi Gi, uma das primeiras profissões que eu quis ter na vida, foi fotógrafa e antes mesmo da fotografia ser tão popular com inúmeros aplicativos. Adorei conhecer a Giselle e desejo todo o sucesso do mundo pra ela!!!
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oie Gi.
    Eu amo fotografia e o que mais amo é sair com minha câmera e fotografar momentos, amo observar os estranhos e ver coisas que eles nem sempre veem em si mesmo, o olhar de uma menina apaixonada quando olha para o rapaz que caminha ao seu lado, o riso espontâneo que escapa sem querer, o sorriso amoroso de uma criança que deita no colo dos pais, o medo e a adrenalina de um rapaz fazendo manobras... Esperar o momento é realmente o melhor, sinceramente fotografar é difícil pois é quase como capturar a alma e eternizar no tempo. Adorei o trabalho que não conhecia.
    Parabéns pela divulgação e bjokas

    ResponderExcluir
  5. Olá Giovana,
    Adoro fotografias. Sempre carregava uma câmera e fotografava tudo (principalmente eu mesma rs). Tenho mais de 50 CDs com fotos e não me canso de tirar.
    Adorei conhecer um pouco sobre a Giselle e entender as dificuldades de fotografar crianças. Eu gosto de fotografar minhas primas, mas faço isso sempre de forma espontânea, acho que fica muito bom.
    Beijos,
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Giovana, tudo bem?
    Acho incrível as pessoas que tem a habilidade de conseguir captar os melhores momentos pela fotografia. As fotos da Giselle são maravilhosas e com certeza farão diferença no futuro, tanto para as crianças como os pais.

    Beijos! ♥

    ResponderExcluir
  7. Me recordo vagamente do livro papai pop e as fotos que ela proporciona com a simplicidade do dia a dia mostra com grande é seu amor pela fotografia, além de se mostrar muita simpática no bate papo com a editora belas-letras.

    ResponderExcluir
  8. Olá!! :)

    Ainda bem que trouxeste mais um post diferente.. :) Bem, nao conhecia nada dela e é sempre bom saber um pouquinho mais, embora nao seja a nivel de fotografia ahah :)

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  9. Oi Giovana, muito bacana a entrevista, adorei conhecer um pouco mais da Giselle, eu não conhecia o livro ainda mas com certeza eu irei atrás para conferir.

    Beijos

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2016/04/luz-camera-e-acao-18.html

    ResponderExcluir
  10. Oi Giovana, concordo planamente com muitas coisas que a fotografa falou. Cada criança tem o seu tempo e é verdade que apesar das fotos digitais ser uma revolução é meio triste ver que as pessoas não revelam mais as fotos e que os arquivos acabam sendo esquecidos. Eu, sei que sempre revelo as que mais gosto, afinal, ainda sou da época em que se apreciava albuns de fotografia. :)

    beijos
    http://ventoliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oii! ^^

    Ah, que amor de matéria. Eu adorei, Gi.
    Eu com certeza serei uma dessas mamães de primeira viagem que irá querer guardar cada momento do filhote.

    É muito bom saber que existe esse tipo de material de apoio.
    E essa fotógrafa é pura competência e talento.

    Parabéns pelo trabalho.
    Abraço
    Ingrid Cristina
    plataformatresquartos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir